A inveja é aquilo que o gato enterra

O dicionário explica que a inveja é o desejo de possuir um bem que pertence ao outro, sentimento de inferioridade, de desgosto diante da felicidade do outro, de cobiça da riqueza, do brilho e da prosperidade alheia. Para a igreja é um pecado mortal que começou com Caim, que matou o irmão Abel, por lhe invejar a vida.
Esse, que também é um dos sete pecados capitais, faz parte de um número muito grande de pessoas, sendo que algumas delas nem imaginam que possuem.
A inveja se manifesta por ações e até pensamentos. Se alguém pensa que nunca teve um sentimento invejoso, engana-se. Nem sempre é algo maléfico, porque o ser humano já nasce invejoso, ato que se manifesta na infância, quando a criança imagina que a mãe dá mais carinho a um irmão, quadro comum em qualquer família.
Há quem afirme que se não fosse a inveja o mundo ficaria estagnado. Isso tem base nas cópias que se fazem na indústria e, principalmente, no mundo da moda, onde desejar o que é do próximo faz parte da engrenagem que move tudo. Pode-se afirmar que isso não é inveja, mas que outro nome se dá para querer também para si o que já é de outro?
Se é inveja ou não, o fato é que ninguém consegue fazer nada melhor se não se basear no que já existe. E isso é desejar o que não lhe pertence, seja com boa ou má intenção.
A vida está cheia de histórias de invejosos que não aguentam o sucesso alheio. É impossível imaginar uma cidade, por menor que seja, com apenas um carrinho de cachorro quente, uma sorveteria, um supermercado, uma farmácia ou apenas uma pessoa vendendo perfume. Basta alguém abrir uma lojinha de alguma coisa que não havia para outro fazer a mesma coisa, mesmo sem saber se vai dar dinheiro ou não.
Isso não quer dizer que quem vem depois do primeiro é invejoso, mas em muitas situações o sentimento de querer o que alguém pensou primeiro tem tudo a ver com as definições de inveja.
Se por um lado a Bíblia nos diz que devemos estar satisfeitos com o que temos, pois Deus nunca vai nos deixar ou abandonar (Hebreus 13:5), por outro, o sentimento da inveja promove uma mudança em nossa vida para nos aproximar do que queremos, segundo Tami Lopez, mestre em programação neurolinguística.
Se isso é bom ou não, fica a cargo de cada um, porque, na maioria das situações, como já disse a banda Ultraje a Rigor em uma música: a inveja é uma merda.