Quando simplesmente não se sente nada, nem dor ou alegria.

Ninguém por vontade própria escolhe a dor ou o sofrimento e as adversidades da vida sempre vão existir, independente da nossa capacidade de resiliência.
O sofrimento e seu enfrentamento é singular. Ainda que duas pessoas passem pelas mesmas dificuldades ou as duas sofram do mesmo transtorno, por exemplo, de depressão, a reação de cada uma será particular. Não é possível mensurar precisamente a dor de cada um, os sintomas é que vão indicar as melhores medidas a serem tomadas em cada caso.
Há pessoas que para evitar o confronto com o sofrimento, simplesmente passam a não sentir nada, como se estivessem anestesiadas. Todos, em maior ou menor grau, experimentamos a anestesia em alguns momentos de nossas vidas, manifestada pela falta de interesse pelas relações sociais, pela comunicação com as outras pessoas e até mesmo para questão básicas como comida, apresentação pessoal e até mesmo higiene pessoal.
A anedonia ou falta de interesse pelas pessoas e pela vida é um sintoma que na maioria das vezes está relacionada à algum transtorno, principalmente a depressão.
Ela constrói uma barreira entre a pessoa e o mundo fazendo com que não se sinta nada diante das expressões de carinho, a presença das pessoas ao lado não faz sentido e nada é capaz de provocar prazer.
É ilusão acreditar que a melhor saída é escolher nada sentir para não sofrer. Fecha-se as portas para as oportunidades de crescimento e para a vida.
A vida nem sempre é fácil e dificilmente encontraremos um sortudo que dirá que na sua vida não existem limitações ou sofrimentos. O que diferencia uma história da outra é a maneira com que cada um reage às provas que a vida nos impõe. Há quem encara melhor as provocações e os que vão permitir a autoestima ser minada pouco a pouco.
Vivemos na era onde não se pode escutar nada que está ofendendo a integridade moral, violando os direitos humanos, nem mesmo as verdades das quais não queremos enxergar. Estamos cada mais fragilizados diante das adversidades, o que nada nos ajuda.
Viver é confrontar provocações, construir sonhos, permitir que a felicidade abrace nossas vidas, e aceitar que, de vez em quando, o sofrimento baterá à nossa porta.

Silvana Pedro Pinto é psicóloga.
Atende adultos e crianças na Clínica Bambini.
silvanassischat@gmail.com