Autor de homicídio em Bragantina se apresenta com advogado

Por Léo Silva

ASSIS CHATEAUBRIAND – Equipes da Polícia Civil já deram início ao inquérito policial sobre a morte de Lourival Boffo, 51 anos, de família tradicional de Bragantina, morto a facadas na tarde desta terça-feira (26), no interior de Bragantina, distrito de Assis Chateaubriand.

Lourival Boffo, 51 anos, de família tradicional de Bragantina, morto a facadas na tarde desta terça-feira (26), no interior de Bragantina, distrito de Assis Chateaubriand.

O corpo foi localizado próximo a um açude, na propriedade da vítima.

Informações que estão sendo apuradas pela 48ª DRP, dão conta de que a morte teria sido provocada por problemas de divisa de terra, entre vizinhos.

No dia do fato, uma pessoa ligou para a PM, relatando que aconteceu uma via de fato com seu vizinho, e esfaqueou o mesmo.

Por volta das 15h30, a equipe da PM, bem como do SAMU foram ao local, uma chácara da família e localizaram a vítima caída de rosto para o chão, sendo que após verificação, a técnica do SAMU informou que não havia mais nada a ser feito, pois o mesmo já não possuía sinais vitais.

A Polícia Militar entrou em contato com o pai do autor, o qual informou que seu filho havia discutido com a vítima e segundo relatos, o mesmo disse que tinha esfaqueado a mesma porque a vítima estava com uma faca e tentou esfaqueá-lo antes.

Diante disso o autor entrou em luta corporal e conseguiu tomar a faca, desferindo um golpe na vítima. O homem relatou que seu filho deixou a faca em uma estrebaria.

A referida faca foi recolhida e entregue a Polícia Civil, juntamente com o Boletim de Ocorrência.

 O homem ainda informou que seu filho saiu com uma moto e desapareceu, sendo que nesta tarde de quinta-feira (28), acompanhado de advogado, compareceu na delegacia, prestou depoimento e foi liberado, por não estar mais em situação de flagrante.

O rapaz agora está à disposição da justiça, pois somente o poder judiciário decidira como ficará a situação.

O corpo da vítima foi encaminhado ao IML de Toledo, liberado para velório e sepultado.

Um crime que chocou os moradores de Bragantina, pois segundo alguns populares, a vítima era muito conhecida, não só no distrito, mas em outras cidades da região, por principalmente ser uma pessoa boa na comunidade.