DESCONTENTAMENTO EM TEMPO DE CRISE

Você é feliz? Está satisfeito com o que tem? Ou vive cobiçando as coisas dos outros, pensando que, se tiver coisas diferentes, será feliz? O descontentamento, que é a irmã gêmea da cobiça, é um pecado que Deus condena, dizendo: “Não cobiçarás”.

Havia um homem no Irã, que se chamava Ali. Ali era um homem muito rico e feliz. Tinha uma grande fazenda, uma bela esposa e cinco lindos filhos. Ele costumava dizer: “Se uma pessoa tem esposa, filhos, saúde e dinheiro, ela é feliz.”

Ali continuou feliz, até o dia em que um viajante veio visitá-lo e começou a falar em diamantes. Ali então tomou uma decisão. Vendeu a sua fazenda, deixou a esposa e foi em busca de diamantes. Viajou pela Palestina, depois ao longo do rio Nilo, entrando a seguir na Espanha. Ele procurava em areias brancas, em montanhas altas e em águas transparentes. Mas, nada de encontrar diamantes. Por fim, cansado, sem dinheiro e sem amigos, num acesso de desespero, lançou-se no mar, afogando-se.

Nesse meio tempo, enquanto Ali procurava desesperadamente um diamante, o homem que adquirira a sua fazenda, achou lá mesmo junto a um rio, uma bonita pedra. Era um diamante. Esse achado se transformou na maior mina de diamantes do mundo, a mina de Golconda.

A história acima é verdadeira e contém uma grande lição. Ali era feliz e tinha tudo para continuar feliz. Mas, o desejo de possuir diamantes, o levou ao descontentamento e à infelicidade.

O descontentamento, disse alguém, é o câncer da humanidade. Ele destrói todo o prazer de viver, levando a pessoa à infelicidade. Quantas pessoas têm tudo para serem felizes, mas, como Ali, vivem descontentes, em busca daquilo que já têm. Por isso o apóstolo Paulo nos admoesta, dizendo que nos contentemos com o que temos, “pois grande fonte de lucro é a piedade com o contentamento; porque nada temos trazido para o mundo, nem coisa alguma podemos levar dele; tendo sustento e com que nos vestir, estejamos contentes” (l Timóteo 6.6-8).

O apóstolo Paulo não apenas disse estas palavras, mas ainda experimentou na sua vida o que é o contentamento. Numa outra ocasião, ele assim se expressou: “Aprendi a viver contente em toda e qualquer situação. Tanto sei estar humilhado, como também honrado. Tudo posso naquele que me fortalece” (Filipenses 4.11-13).

Você já aprendeu a viver contente em toda e qualquer situação?

 

Filósofo e Teólogo – Professor de Filosofia, Antropologia e História;

Professor aposentado da UNIPAR/UNIVEL e CTESOP;

Professor da Rede Estadual de Educação – Colégio Chateaubriandense.

pardinhorama@gmail.com