O BRASIL E A CRISE MORAL

“Uma pessoa honesta faz o que é correto quando ningém está vendo, o desonesto só quando estão vendo. Jesus uma certa vez disse: “Quem não é fiel nas pequenas coisas, nunca será nas grandes”.

Vivemos no Brasil uma crise moral muito grande, e porque não dizer no mundo! Não se trata somente dos políticos em Brasília, mas em todo país e nos vários segmentos da sociedade a infidelidade pessoal se faz presente. Veja em nossa casa, por exemplo, quantas mentiras e outras posturas indecorosas, com amigos,  no trabalho, no bairro, na cidade onde muitas vezes não respeitamos o próximo, jogamos lixo na rua, não respeitamos a leis de trânsito, pois, afinal ninguém está vendo!

Parece que só aprendemos coisas imorais, que vamos praticando ao longo da vida como: burlar as leis, sonegar impostos, enganar clientes, fazer um “gato”, uma ligação clandestina, estacionar o carro onde não devemos, afinal, ninguém está vendo!

A vida para muitos é tirar vantagem em tudo, é cada um pensando em si mesmo, e no seu bem estar. Imagine fraudar o leite que as pessoas irão dar para as crianças? Imagime um supermercado reembalar produtos vencidos, ou carimbá-los com nova data de vencimento? Ninguém está vendo mesmo!

Quem se acostuma a fazer coisas erradas ou tirar alguma coisa que não lhe pertence, corre o risco de viver assim a vida inteira – sempre tendo dificuldade em fazer o bem, ainda que seja para sí mesmo, tanto nas pequenas ou grandes coisas da vida.

É bem verdade que nem todos nascem assim, mas muitos aprendem a ser imorais no percurso da vida. Veja que algumas pessoas comuns e honestas, ao serem eleitas e/ou reeleitas para uma cargo tedem a se corromper. Isto acontece em praticamente em todo globo, pois quando se fala em corrupção e roubalheira, logo vem a mente a classe política. E daí, afinal ninguém está vendo! Além domais a punição é leve, e assim a imoralidade vai suplantando a moralidade.

Quem tem que mudar? Todos nós, a começar pelas nossas atitudes na nossa família. A família é a primeira grande escola da vida. O que os pais fazem, fala muito mais alto perante os filhos. Talvez seja por isso, os filhos muitas vezes não escutam o que os pais dizem e ensinam, eles se apegam às atitudades e exemplos como pais. Como nem sempre os pais são condizentes entre o que instruem e o que fazem de fato, os filhos vão crescente na incoerência.

Mudar nossa atitude frente a tudo, é um bom começo para sermos mais soliodários, mais benígnos, mais bondosos, mais misericordiosos, mais comprensivos, enfim precisamos pensar mais no próximo, na cidade e no país.

Jesus disse: “E por aumentar a iniquidade o amor se esfriará de quase todos”. Mas quem é o iníquo? É o indivíduo que está acostumado a pecar, fazendo coisas erradas com frequência, não se impotando mais com as consequências ou tendo vergomha de cometê-las, pois ninguém está vendo! Sendo assim a iniquidade suplanta o amor, e a falta deste, cada vez mais presente na vida das pessoas, leva à degradação moral de forma crescente. Infelizmente, vivemos está realidade no Brasil. O bom é sabermos que podemos mudar!

 

* Roberto Cosme dos Santos e sociólogo e teólogo

com especialização em Psicologia Pastoral.

Atende e acompanha pessoas com sintomas psicoemocionais.

contatorobertosantos@outlook.com