Os riscos e exigências da luta contra o coronavírus

Vivemos todos, de todas as idades e classes sociais, um momento muito delicado. O coronavírus nos pegou de surpresa e tem nos afetado demais, em todos os sentidos. São muitas informações a toda hora, muitas das quais conflitantes, cada qual com seu argumento ou fundamento, o que nos leva refletir e tomar decisões delicadas, sobre como devemos agir de agora em diante.

Reconhecemos o esforço de autoridades sanitárias do nosso município, do Estado e da União Federal. Vemos a preocupação e a boa intenção que todos têm dedicado a esse assunto e precisamos reconhecer que não é fácil ser prefeito, governador, ministro ou presidente da República num momento tão decisivo, onde ninguém tem o direito de se equivocar, pois têm a responsabilidade de tomar decisões imediatas e com os resultados esperados por todos nós.

Em nosso município de Toledo as decisões tomadas até agora foram corretas. A preocupação com a vida deve ser, sem dúvida alguma, nosso principal foco ou objetivo. Tanto é assim que não tivemos a confirmação de nenhum caso do coronavírus até o momento.

Mas não podemos esquecer que as pessoas precisam também trabalhar e sobreviver. As empresas fechadas, não vão conseguir pagar suas obrigações e a principal delas é o salário dos funcionários.

Sabemos que é uma decisão difícil. Mas o momento pede equilíbrio e bom senso. Equilíbrio entre nossa luta irrestrita pela vida e o esforço pela retomada das atividades das nossas empresas e demais setores produtivos.

Defendemos o sim a volta do funcionamento de nossos estabelecimentos comerciais já a partir dos próximos dias. Que seja gradativa, com algumas restrições, obedecendo as normas de higiene e segurança de dirigentes e funcionários, seguindo as normas de nossas autoridades sanitárias, preservando em isolamento apenas o grupo de risco.

Podemos em conjunto, sociedade e classe política, construir junto o melhor resultado para essa decisão. Mas ela precisa ser tomada, pois os danos de completa paralisação poderão comprometer, da mesma forma, muitas vidas, a partir do desemprego e da fome.

*O autor é ex-deputado federal pelo Paraná

e ex-chefe da Casa Civil do Governo do Estado.