Paraná Trifásico atinge marca de 2,5 mil quilômetros

A inauguração oficial desse primeiro trecho, que representa 10% do programa de 25 mil quilômetros projetados até 2025, ocorreu nesta quarta-feira (18), na sede da C.Vale, em Palotina, no Oeste. o investimento da Copel apenas em 2020 ultrapassará r$ 235 milhões, superior ao montante planejado inicialmente para este ano, na casa de r$ 210 milhões. 

O governador Ratinho e sua comitiva foram recebidos por centenas de associados da C. Vale

O presidente da C.Vale, Alfredo Lang, agradeceu os investimentos justificando que eles vão permitir aos associados ampliar a produção de frangos, peixes, leite e suínos. Segundo ele, essas atividades utilizam equipamentos que demandam uso intensivo de energia elétrica. Conforme Lang, os investimentos da Copel são fundamentais para que a C.Vale amplie a produção dos atuais 800 mil frangos, peixes e suínos por dia para 3 milhões de animais/dia em 30 anos, elevando também o número de funcionários de 11 mil para aproximadamente 30 mil.

 O programa Paraná Trifásico alcançou 2,5 mil quilômetros de novas redes de energia elétrica no Estado. É como se a substituição das linhas monofásicas tivesse sido implementada ao longo do trecho entre Paranaguá e Foz do Iguaçu três vezes, e mais uma vez entre Guarapuava e Curitiba. A inauguração oficial desse primeiro trecho, que representa 10% do programa de 25 mil quilômetros projetados até 2025, ocorreu nesta quarta-feira (18), na sede da C.Vale, em Palotina, na Região Oeste.

O investimento total da Copel apenas em 2020 ultrapassará R$ 235 milhões, superior ao montante planejado inicialmente para este ano, na casa de R$ 210 milhões. A nova rede trifásica está pulverizada por todo o Estado e as obras estão gerando cerca de mil empregos diretos e indiretos no Paraná.

Segundo o governador Carlos Massa Ratinho Junior, o programa atende duas prioridades da gestão: interromper as quedas de energia, mais frequentes nas zonas rurais, e promover redes elétricas de qualidade para produtores que planejam aumentar os investimentos nos próximos anos.

“Implantamos 2,5 mil quilômetros. É o maior programa do País, com projeto de construir 25 mil quilômetros de linhas. É uma modernização que atende a área rural, colaborando com as cooperativas e os produtores rurais”, disse o governador. “Tínhamos que modernizar aquilo que foi feito no passado. O Paraná Trifásico é o Clic Rural dos anos 1980. Estamos preparando o Paraná para os próximos 30 anos”, acrescentou.

Na prática, toda a espinha dorsal da rede de distribuição no campo está sendo trifaseada, substituindo a tecnologia monofásica da primeira grande revolução elétrica no Interior. Além de garantir energia de mais qualidade e com maior segurança, o programa proporciona o acesso do produtor rural à rede trifásica a um custo muito inferior ao que hoje é pago. A Copel vai investir R$ 2,1 bilhões para alcançar todos os cantos do Paraná.

“A Copel é dos paranaenses, por isso esses investimentos bilionários estão acontecendo no Estado. Há muito prejuízo na produção rural com as quedas de energia. Temos muito a melhorar, mas esse primeiro pacote é a prova de que estamos no caminho certo”, disse Daniel Pimentel Slaviero, presidente da Copel. “A Copel quer ter a melhor energia, com a rede mais segura e moderna do País”.

As redes isoladas atuais sofrem mais com as quedas de energia. Com o tri faseamento, haverá interligação entre essas redes e a criação do efeito redundância no fornecimento. Ou seja, redes que hoje estão próximas, porém não se “conversam”, passarão a ser interligadas. Assim, se acabar a energia em uma ponta, a outra garante o abastecimento. E, em caso de desligamentos, os produtores rurais terão o restabelecimento da energia mais rápido.

Com o programa, a Copel melhora a qualidade no fornecimento de energia para o campo, renova seus ativos e garante mais segurança aos seus funcionários e à população. Os novos cabos com capa protetora isolante têm nível de resistência reforçada quando atingidos por galhos de árvores ou outros objetos. Os antigos cabos eram “nus”.

PRIMEIRA FASE

Foram concluídos 569 quilômetros no Centro-Sul (R$ 62,3 milhões); 571 quilômetros no Leste, que compreende Curitiba, Região Metropolitana e Litoral (R$ 64,4 milhões); 449 quilômetros no Noroeste (R$ 35,7 milhões); 397 quilômetros no Norte (R$ 32,8 milhões); e 514 quilômetros no Oeste/Sudoeste (R$ 39,9 milhões).

Outros 3.446 quilômetros foram contratados e já estão em execução. São 830 quilômetros no Centro-Sul; 755 quilômetros no Leste; 611 quilômetros no Noroeste; 523 quilômetros no Norte; e 725 quilômetros no Oeste/Sudoeste. E ainda há 5.536 quilômetros já com o traçado projetado.

Pela programação original serão implementados mais três mil quilômetros em 2021, 4,5 mil quilômetros em 2022 e cinco mil em cada ano entre 2023 e 2025. O programa precisou ser escalonado até 2025 porque não havia disponibilidade de insumos suficientes para instalação a curto prazo dos equipamentos e do cabeamento.

“O Paraná Trifásico é o principal projeto em termos de investimento. O primeiro ano é mais difícil por causa da logística, dos fornecedores, da inclusão de novas tecnologias no sistema. Mas o saldo é muito positivo, repercutindo na robustez da rede elétrica em todo o Estado”, destacou Júlio Omori, superintendente de Smart Grid e Projetos Especiais da companhia.

TRIFÁSICO – O programa retira os postes antigos do meio das plantações e coloca postes novos nas estradas rurais, o que facilita o acesso dos técnicos, e disponibiliza cabos mais resistentes contra as intempéries. Os postes estão sendo enterrados cerca de 1,80 metro para dentro da terra, o que renova a resistência contra ventos fortes. Alguns deles têm para-raios.

As novas linhas têm conexões inteligentes com a central de monitoramento da rede, chamados de religadores automáticos. Esses aparelhos têm capacidade para identificar problemas e “abrem temporariamente” para passagens de eventuais curtos para evitar desligamentos, e religam a energia sem precisar de interferência humana. Os equipamentos podem ser acionados remotamente pelo novo Centro de Operação da Copel em Curitiba.

Além de garantir energia de mais qualidade e com maior segurança, o investimento da estatal vai proporcionar o acesso do produtor rural à rede trifásica a um custo muito inferior. Além disso, equipamentos com motores trifásicos normalmente são mais eficientes, baratos e têm uma taxa de falha menor.

As redes elétricas trifásicas também favorecem quem pretende ser produtor de energia elétrica na sua propriedade, pois a rede monofásica limita esta possibilidade.

A expectativa do Governo do Estado é de que o programa também seja uma grande plataforma de transformação e incentivo à industrialização para regiões produtoras do agronegócio. Culturas que dependem da energia elétrica intensiva para a sua produção terão grande benefício, entre elas leite e derivados, suinocultura, avicultura, piscicultura e fumo, por exemplo, além de atividades como os poços artesianos. O Paraná é líder nacional em algumas delas, como avicultura e piscicultura.

“É um momento importante de potencializar aquilo que é bom para o Paraná. Eu sou do tempo de cabo de enxada em que se tinha um bico de luz. Os tempos evoluíram, as ferramentas se modernizaram. Passávamos vergonha no mundo tendo que explicar a morte de animais nas granjas por estresse térmico. A rede monofásica já não suporta a tecnologia do campo. Por isso a decisão de fazer esse investimento, que vai, inclusive, baratear o acesso do produtor ao trifásico”, disse o secretário estadual da Agricultura e Abastecimento, Norberto Ortigara. “É uma revolução”.

MODERNIZAÇÃO

Esse investimento em energia, insumo preponderante nos negócios do campo, é parte de um programa maior do Estado nessa área, que envolve, ainda, modernização da infraestrutura nas malhas rodoviária e férrea, ao status sanitário de área livre de febre aftosa sem vacinação e ao Descomplica Rural, programa idealizado para facilitar o acesso às licenças necessárias para produção rural.

“Energia dá segurança para os cooperados e para as cooperativas. O grande problema é ter perda de energia com os sistemas automatizados e as áreas climatizadas. Energia segura estimula os produtores e as agroindústrias a investirem cada vez mais”, disse Alfredo Lang, presidente da C.Vale. “A agroindustrialização é a grande alternativa para gerar renda par o homem do campo, empregos e tributos para o País”.

Como parte desse projeto, ele citou o investimento de R$ 500 milhões em uma nova esmagadora de soja, capaz de processar 15 milhões de sacas do grão por ano. A C.Vale gera mais de 11 mil empregos e faturou R$ 11 bilhões em 2020. A expectativa para as próximas três décadas é atingir marca de 45 milhões de sacas de soja processadas por ano, 3 milhões de animais abatidos por dia em todas as cadeias (frango, suíno e peixe) e 30 mil funcionários.

Edegar Otto Wutzke, agricultor de Terra Roxa, não vê a hora da linha trifásica chegar na sua comunidade. Ele é produtor de frango, suínos e peixe e chegou a perder 60% de um lote de frango por conta de uma oscilação, há três anos. “Dependemos de boa energia. Com a rede trifásica poderemos produzir ainda mais. Energia é fundamental. Queremos progredir, mas ainda estamos limitados. Queremos crescer e gerar renda para o nosso País”, afirmou.

HISTÓRICO

O Paraná Trifásico é uma evolução do Clic Rural, iniciativa que levou energia para mais de 120 mil propriedades rurais nos anos 1980 e se tornou o principal programa de eletrificação rural da época. A rede era monofásica nas zonas rurais porque era mais barata, permitia menos cabos (apenas dois) e postes com distâncias maiores entre si. Eram até 140 metros entre um poste do outro, agora a distância é de cerca de 90 metros.

Era um momento em que o País convivia com alta inflação e crescimento irregular, num contexto de crise prolongada. Nesse ambiente nacional, os desafios para desenvolver o Paraná eram grandes e precisavam ser enfrentados. A melhora da qualidade da produção agropecuária é a prova de que voltar os olhos para a população rural foi uma das estratégias mais acertadas que a Copel já teve.

Passados mais de 30 anos, o perfil do consumidor rural é outro. Com o avanço dos processos tecnológicos no campo, cada vez mais mecanizados e automatizados, a preocupação com a qualidade do fornecimento de energia elétrica passou a ser prioridade, tanto para o investidor quanto para a Copel. Ou seja, toda essa espinha dorsal de distribuição no campo será trifaseada.

PRESENÇAS

Participaram do evento o chefe da Casa Civil, Guto Silva; os secretários Marcel Micheletto (Administração e Previdência) e Norberto Ortigara (Agricultura e Abastecimento); os deputados estaduais Ademar Traiano (presidente da Assembleia Legislativa) e Coronel Lee; o deputado federal Giacobo; diretores da Copel; prefeitos e lideranças regionais; além de produtores e cooperados da C.Vale.

PROGRAMA É PARTE DO MAIOR INVESTIMENTO EM DISTRIBUIÇÃO DA HISTÓRIA DA COPEL

O Paraná Trifásico envolve R$ 2,1 bilhões e faz parte do maior pacote de investimentos da história da Copel Distribuição, junto à Rede Elétrica Inteligente, com aporte de R$ 820 milhões para implementar medidores inteligentes em 4,5 milhões de unidades consumidoras (casas e empresas), e às novas subestações de energia que estão em construção.

São mais de R$ 3 bilhões programados para modernizar e automatizar a rede, preparando-a para novos perfis de consumo relacionados às cidades inteligentes, maior autonomia dos usuários e geração sustentável.

Com o Rede Elétrica Inteligente, as unidades consumidoras terão medidores digitais que se comunicam diretamente com o Centro Integrado de Operação da Distribuição da Copel, facilitando o controle de toda a cadeia, da subestação até o consumidor final. Esse investimento tecnológico permitirá leitura de consumo a distância e autonomia para cidadão monitorar sua fatura. Além disso, o programa vai reduzir o tempo de desligamento provocado por intempéries e outros fatores externos ao sistema.

A instalação da tecnologia começará em 73 cidades das regiões Centro-Sul, Sudoeste e Oeste do Paraná, com benefício direto a 1,5 milhão de paranaenses (462 mil unidades consumidoras).

Também estão em construção subestações de energia em 23 cidades: Marechal Cândido Rondon, São Miguel do Iguaçu, Joaquim Távora, Ibema, Maringá (2), Ponta Grossa, Francisco Beltrão, Pato Branco e Cianorte, de 138 kV; e Antônio Olinto, Santa Amélia, Arapongas, Castro, Mandirituba, Salto do Itararé, Ponta Grossa, Serranópolis do Iguaçu, Sapopema, Boa Vista da Aparecida, Lapa, Tibagi e Prudentópolis, de 34,5 kV. Os investimentos envolvem R$ 310 milhões e 625 MVA até 2022, beneficiando todas as regiões.

A Copel investe, ainda, em mais de 7 mil quilômetros de linhas de distribuição de alta e média tensão e milhares de novos religadores, chaves, reguladores de tensão e transformadores de potência.