Tudo passa, tudo sempre passará!

A gente só sabe a intensidade da tempestade que vemos ao longe quando ela chega. Por mais que o céu esteja escuro no horizonte, enquanto está longe não parece uma grande ameaça e as ondas que começam a subir deverão ser apenas uma “marolinha”, como dizia o ex-presidente Lula.

Na primeira rajada de vento com a chegada da ventania no nosso telhado é que temos a dimensão do temporal que há pouco era só uma esperada chuvica. Mas isso é assim desde os nossos mais distantes ancestrais, só acreditamos no que podemos apalpar, como Tomé, o apóstolo incrédulo.

Quando o inesperado se torna real, o medo do incerto toma conta e temos que buscar refúgio em tudo o que guardamos para essas horas, principalmente nas orações que alimentam a eterna esperança, reavivando a fé de que “tudo vai passar”. Até ateu olha de lado pra ver se Deus está.

A afirmação de que “vai passar” se tornou um mantra nos últimos meses, desde que a pandemia se instalou no país, fazendo eco por todos os cantos, aos pouquinhos, como um filete de água mansa enchendo uma bacia.

Se frases servem de consolo, temos aos milhares nos livros, internet e no conhecimento de cada um, com aval cognitivo. São sabedorias que funcionam como combustível para mentalizar, mesmo se querer, que o amanhã será melhor, colocando aspas no desejo de “tudo passa”.

E não existe nada mais óbvio do que essa afirmação. O grande problema são os rastros do que está passando, os efeitos diretos e colaterais, principalmente as pegadas da alma. Nesses momentos, também lembramos que o que realmente importa é a lição que temos de tudo o que passa.

Se os dias bons se vão, os ruins também. Para o grande escritor Millôr Fernandes, “tudo passa, chuva passa, tempestade passa, até furacão passa. Difícil é saber o que sobra”. Parece pessimismo, mas é a mais pura reflexão da verdade, e, como sempre, dói.

Mas, se a dor também é lição de vida, é preciso dar um jeito de aproveitar alguma coisa dela e acreditar que, depois que tudo passar, possamos usar a experiência como exemplo do que devemos ou não fazer.

Claro que no mundo das frases tudo é mais bonito, o céu é mais azul e a tempestade fica apenas ao longe, como um desenho no horizonte. Mas, se em meio à dificuldade existir algo melhor que elas ainda não tenham registrado, é porque não aconteceu ou não existe. Assim, o melhor caminho para prosseguir é ter fé, que só se explica pela ação de acreditar, e, por sua vez, é alimentada por pelo menos uma frase.

Desta forma, o consolo mora na esperança e na consciência de que nada é eterno e, como disse Lulu Santos, “nada do que foi será de novo do jeito que já foi um dia. Tudo passa, tudo sempre passará!”